Área de Ensino - Áreas de Investigação

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Temos projetos ativos nas seguintes áreas de investigação:
 
 Lupus Eritematoso sistémico (Dr. Luís Sousa Inês. Colaboração: Doutor Artur Paiva, Instituto Português de Sangue e Transplantação).
Especial foco, através do seguimento prospectivo de uma coorte de doentes com Lupus (n~325), na caracterização clínica da doença e suas manifestações parcelares, identificação de preditores de prognóstico, ensaios clínicos. Integramos a coorte de Lupus da Sociedade Portuguesa de Reumatologia (LES@Reuma.pt).
Temos, em colaboração como Doutor Artur Paiva (Instituto Português de Sangue e Transplantação) um programa ativo de investigação da contribuição de células B, Th17, γ-δ, dendríticas e Monócitos para a atividade e controlo da doença lúpica.
 
 Esclerose sistémica Progressiva (Dr.ª Maria João Salvador. Colaboração: Doutor Artur Paiva, Instituto Português de Sangue e Transplantação, Dr. Rui Baptista, Cardiologia CHUC).
Mantemos em seguimento regular e protocolizado uma coorte com cerca de 70 doentes com ESP (ESPerança). Integramos esta coorte no projeto europeu EUSTAR, que tem permitido avanços muito significativos na visibilidade e na compreensão desta doença)
 
Temos, em colaboração como Doutor Artur Paiva (Instituto Português de Sangue e Transplantação) um programa ativo de investigação da contribuição de células B, Th17, γ-δ, dendríticas e Monócitos para a atividade e controlo da ESP.
Desenvolvemos correntemente um projeto que visa explorar a elastometria ultrassónica na avaliação da pele de doentes com ESP com vista à melhoria do diagnóstico precoce, estadiamento de doença, quantificação da evolução e  resposta à terapêutica. Apoio técnico: Drª Tânia Santiago. Colaboração com Universidade de Leeds, UK.
Está em fase de planeamento um projeto dedicado à contribuição da ecocardiografia de esforço para a detecção precoce da Hipertensão Arterial Pulmonar em doentes com ESP (Colaboração com os Dr.s Rui Baptista, Rui Martins e Graça Castro, cardiologistas).
 
 Artrite reumatóide – o papel da células CD8 (Professor José António P. Silva e Cátia Duarte. Colaboração: Doutora Margarida Souto-Carneiro – CNC, Coimbra, e Professor Iain McInnes, Universidade de Glasgow).
Este projeto vem a ser desenvolvido há alguns anos em colaboração com a Unidade de Imunologia do Centro de Neurociências de Coimbra – Doutora Margarida Souto-Carneiro, e a Universidade de Glasgow – Professor Iain McInnes. Visa contribuir, mediante estudos experimentais e humanos, para a compreensão do papel desempenhado pelas células T-CD8 na patogenia da artrite reumatóide e explorar eventuais alvos terapêuticos identificados nesses estudos.
 
 Artrite precoce (Dr.ª Cátia Duarte).
Abrimos, em 2012 uma Consulta de Artrite Precoce que visa identificar doentes em fases muito precoces de artrite e validar protocolos de optimização do seu tratamento, em paralelo com estudos sobre a patogenia da artrite.
 
 Roots of Arthritis – Pré-Artrite (Prof. José António P. Da Silva. Colaboração: Professor Paul-Peter Tak, Universidade de Amsterdam e Professor Rainer Straub, Universidade Regensburg, Alemanha).
Este projeto, de grandes dimensões, visa contribuir para esclarecer a origem da artrite reumatóide, pelo estudo longitudinal prospectivo e detalhado, de uma coorte de pessoas com elevado risco de desenvolvimento de artrite. Os participantes serão submetidos a avaliações clínicas regulares e a estudos dinâmicos de sistemas biológicos potencialmente implicados na origem da autoimunidade, como sejam o eixo hipotálamo-suprarenal, o sistema nervos autónomo e o sistema imune. Este trabalho está atualmente em fase final de preparação (Ref. 2014). Co-investigadores: Joana Ferreira, Tânia Santiago.
 
 Treat–to–Target (Prof. José António P. Da Silva, Cátia Duarte e Enfermeiro Ricardo Ferreira).
Este projeto, propõe-se avaliar, a nível nacional os padrões correntes de tratamento da artrite reumatóide e apreciar os obstáculos e oportunidades pertinentes à implementação da moderna estratégia terapêutica designada por Treat-to-Target. Procuraremos, no processo, avaliar e desenvolver meios de envolvimento dos doentes na tomada informada de decisão terapêutica.
 
 Do-HEALTH Vitamina D e Ómega 3 em envelhecimento saudável (Prof. José António P. Da Silva, em colaboração com Dr.ª Cátia Duarte e Enfermeira Ana Pinto. Colaboração Professora Heike Bischoff-Ferrari, Universidade de Zurich). Trata-se de um estudo europeu, da iniciativa do investigador, que visa avaliar o efeito de várias combinações de vitamina D, Omega 3 e exercício sobre uma variedade de parâmetros relevantes ao envelhecimento saudável, em idosos (>70 anos) independentes ao longo de 3 anos. A  ♦ CURE ♦  assumiu o papel de centro de recrutamento nacional para este estudo, cabendo-lhe incluir e seguir 300 participantes.
 
 Osteoporose (Prof. José António P. Da Silva, Enfermeira Andréa Marques. Colaboração: Johannes Jacobs, Universidade de Utrecht, Professor Óscar Lourenço, Faculdade de Economia de Coimbra, Professores Henriques d Barros e Maria de Fátima Pina, Universidade do Porto, Dr.ª Eugénia Simões, IPR, Lisboa, Professor Aida Mendes Escola Superior de Enfermagem de Coimbra).
Os nossos trabalhos de investigação nesta área tiveram o seu início em 1997 com a constituição do Estudo SAOL que caracterizou uma amostra de 1700 habitantes da Freguesia de Santo António dos Olivais quanto à sua densidade mineral óssea e uma variedade de factores epidemiológicos de risco para osteoporose. Este trabalho foi retomado em 2010, visando avaliar a evolução daqueles parâmetros e a ocorrência de fracturas nesta população. Pretende-se constituir uma coorte prospectiva de seguimento para o futuro, com duração indefinida. Ambos os trabalhos tiveram o apoio financeiro da Fundação Merck, Sharp & Dohme.
Ainda no âmbito da osteoporose, procedemos já à validação da versão Portuguesa do Algoritmo FRAX® (da OMS) e temos em curso vários estudos dedicados a
•  Custos económicos e funcionais das fracturas osteoporóticas da anca
•  Estabelecimento de limiares de intervenção diagnóstica e terapêutica para a osteoporose em Portugal
•  Validação dos pressupostos do algoritmo FRAX para a população Portuguesa
•  FRAX-Patient – um projeto de literacia e envolvimento do doente
•  Epidemiologia da carência de Vitamina D na população portuguesa e sua correlação com fracturas osteoporóticas.
•  Estratégias de tratamento da osteoporose na comunidade Médica Portuguesa
 
Estes estudos envolvem colaborações com várias instituições e investigadores nacionais e internacionais , de que destacamos: Instituto Português de Reumatologia (Dr.ª Eugénia Simões), Departamento de Higiene e Epidemiologia da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (Professor Henrique Barros, Professora Raquel Lucas, Mestre Teresa Monjardinho), Instituto de Saúde Pública da Universidade de Porto (Professora Doutora Maria de Fátima Pina), Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (Professor Doutor Óscar Lourenço), Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (Professora Doutora Aida Mendes).
 
 Fibromialgia (Prof. José António P. Da Silva. Colaboração: Johannes Jacobs, Tim Radstake e Rinie Geenen, Universidade de Utrecht. Professor António Macedo, Universidade de Coimbra).
O nosso interesse em matéria de investigação sobre Fibromialgia tem sido especialmente focado em dimensões psicológicas desta condição que se consubstanciaram nos seguintes trabalhos ou projetos:
•  FM-Scan- um projeto em que estudámos 22 famílias com um caso índex de FM, uma irmã saudável e a mãe de ambas numa variedade de dimensões psicológicas e orgânicas. Daqui resultaram 8 teses de mestrado integrado de Medicina, com classificações entre 18 e 20 valores. Está atualmente em preparação final um artigo derivado deste estudo, sobre comprimento de telómeros e outros indicadores de envelhecimento celular em doentes com FM, em colaboração com o Professor Tim Radstake (Departamento de Imunologia do Hospital Universitário de Utrecht).
•  FM – NEO-PI-R. Um estudo sobre a associação entre FM e certas dimensões de personalidade, em cooperação com investigadores da Universidade de Utrecht (Drs Johannes Jacobs e Rinie Geenen).
•  FM e Perfeccionismo. Avaliação de perfeccionismo em doentes com FM, Artrite Reumatóide e Controlos saudáveis. Este estudo, feito em colaboração com o Professor António Macedo do Departamento de Psicologia da nossa Faculdade, deu já lugar a duas teses de mestrado integrado de Medicina, ambas classificadas com 20 valores. O estudo está em fase final e execução.
 
 Espondilartropatias (Dr. Pedro Machado. Colaboração: University College, Londres, Universidade de Leiden e Grupo ASAS).
Este projeto, atualmente em fase de estruturação e lançamento estará focado no estudo da epidemiologia clínica de doentes com estas entidades nosológicas, sob a forma de uma coorte prospectiva. A integração em colaborações internacionais, com destaque para o grupo ASAS, constitui a estratégia dominante do nosso esforço nesta área.
 
 Ensaios Clínicos.  A  CURE  participa ativa e regularmente em ensaios clínicos que visam testar novos fármacos para o tratamento de doenças reumáticas. Toda a equipa toma parte destes estudos, mas merecem especial destaque as Dr.ªs Maria João Salvador e Cátia Duarte, O Dr. Luís Sousa Inês e o Enfermeiro Ricardo Ferreira.
Entre os produtos que ajudámos a estudar contam-se:
•  Infliximab e o seu biosimilar
•  Adalimumab
•  Ethanercept
•  Tocilizumab
•  Mavrilimumab
•  Belimumab